A universalidade e o (não) lugar político da Igreja no mundo de hoje. A eclesiologia da globalização de Francisco

O Papa Francisco se propôs inaugurar uma nova eclesiologia da globalização desde o início de seu pontificado, e esse tema é um traço comum em sua mensagem à Igreja. O que sustento aqui é que a visão de Igreja de Francisco responde a um dos desafios da globali- zação, qual seja, a virtualização dos espaços eclesiais e dos “não espaços” (um neologismo cunhado pelo antropólogo francês Marc Augé para designar espaços antropológicos de transitoriedade onde os seres humanos permanecem anônimos e não têm importância suficiente para serem considerados “lugares”1.Há diferentes dimensões na eclesiologia da globalização de Francisco e em sua forma de lidar com a percepção do espaço da Igreja Católica, e tentarei abordar essa questão de quatro pontos de vista específicos:1) uma fase particular na longa história da inculturação do papado romano; 2) o catolicismo institucional e missionário no mundo global;3) uma reencarnação da mensagem sociopolítica da Igreja em sua eclesiologia; 4) a eclesiologia do laicato e a espacialidade da Igreja na globalização.

Descargar

Comentarios